google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

Resenha: Um Milhão de Finais Felizes


Um Milhão de Finais Felizes Resenha
O livro é super leve, porém pouco desenvolvido, sua história berra clichês.

Esse texto pode conter possíveis SPOILERS.

Jonas não sabe muito bem o que fazer da vida. Entre suas leituras e ideias para livros anotadas em um caderninho de bolso, ele precisa dar conta de seus turnos no Rocket Café e ainda lidar com o conservadorismo de seus pais. Sua mãe alimenta a esperança de que ele volte a frequentar a igreja, e seu pai não faz muito por ele além de trazer problemas. Mas é quando conhece Arthur, um belo garoto de barba ruiva, que Jonas passa a questionar por quanto tempo conseguirá viver sob as expectativas de seus pais, fingindo ser uma pessoa diferente de quem é de verdade.

'Um Milhão de Finais Felizes' é o segundo livro do autor Vitor Martins, o seu primeiro livro lançado foi 'Quinze Dias', mas este está sendo o meu primeiro contato com o autor. O livro é uma história jovem sobre amor, família e aceitação.

Infelizmente a obra não funcionou para mim. O livro é super leve, porém pouco desenvolvido, sua história berra clichês. A leitura do livro é como assistir a um filme de romance água com açúcar na 'Sessão da Tarde', a história não me cativou, mas curti o tom um pouco mais melancólico do livro, que querendo ou não, deu um ar original para o gênero.


“Essa é a minha família.

E o melhor é que foram eles que me escolheram.”

Os clichês vão de família não aceitar o filho gay, passando pelos amigos nerds que amamos até a famosa cena que tem em qualquer livro sobre o tema (ou até mesmo nos filmes e séries) "o tapa na cara" do personagem. O público adolescente com certeza vai curtir muito esse livro por ser simples e de fácil assimilação.

O livro apresenta o personagem Jonas que com certeza o leitor colocará no potinho e guardará para sempre. A sua jornada é muito real é muito fácil se identificar aqui, Vitor Martins soube trazer um universo palpável e identificável, porém faltou deixar a história mais densa e profunda, os assuntos e situações ficam a deriva na superfície.


“Eu preciso entender que é possível ser gay e também ser feliz.”

Um outro problema de 'Um Milhão de Finais Felizes' são suas histórias paralelas que acabam permeando a trajetória de Jonas. Os personagens coadjuvantes são poucos explorados e mal desenvolvidos e suas histórias são resolvidas em uma passe de mágica de uma hora para outra, o enredo da família de Jonas fica em aberto sem apresentar qualquer fechamento.

O livro também apresenta um outro ponto que eu achei negativo, todas essas histórias paralelas são rapidamente resolvidas no final do livro. 'Um Milhão de Finais Felizes' em alguns momentos fica cansativo de ler, e no final a leitura é apressada.

O que salvou bastante a leitura de 'Um Milhão de Finais Felizes' foi a história dos piratas gays que o personagem Jonas escreveu. Isso deixou o livro com ar mais divertido e engraçado, nesses momentos eu fiquei com vontade de ler e saber mais sobre essa história que em muitos momentos fica mais interessante que a própria história do personagem.


“Eu te amo e tenho certeza de que,

mesmo passando por tanta coisa ruim na vida,

você ainda guarda um milhão de finais felizes aí dentro.”

Para os adolescentes a leitura pode ser de grande ajuda e discussão também. Vitor Martins traz uma jornada de amadurecimento, a jornada do personagem está cheia de escolhas difíceis a serem feitas. 'Um Milhão de Finais Felizes' tem muita sensibilidade sobre inseguranças, os medos, os sonhos e as confusões internas de um jovem gay.

'Um Milhão de Finais Felizes' não funcionou para mim, eu achei muito clichê, mas a obra é leve, divertida e para criançada ela pode funcionar bem. Vitor Martins traz um olhar honesto sobre o que significa pertencer a um lugar ou a um grupo de pessoas e o verdadeiro sentido sobre o que é família e lar.

Nota 5

Conectadas Resenha

'Conectadas' não afunda o pé e nenhum tom, deixado a obra muito morna, nada é narrado de forma muita dramática ou até mesmo sentimental, de

bottom of page