google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

Livro "Um Defeito de Cor" receberá exposição no Sesc Pinheiros

Livro "Um Defeito de Cor" receberá exposição no Sesc Pinheiros

Premiado livro "Um Defeito de Cor" está inspirando uma exposição em cartaz no Sesc Pinheiros (São Paulo) a partir deste mês. A exposição tem curadoria de Ana Maria Gonçalves, Marcelo Campos e Amanda Bonan. Assim como na obra literária, a exposição reflete sobre identidade, escravidão e racismo.


Escrito por Ana Maria Gonçalves e lançado em 2006, "Um Defeito de Cor" é considerada uma das mais importantes da literatura brasileira contemporânea. O Sesc Pinheiros recebe a exposição com obras inéditas e peças do desfile de 2024 da Escola de Samba Portela.


Marcelo Campos, um dos curadores da exposição, explica que a mostra é dedicada para quem tenha lido o livro ou não: “Dividimos o espaço em uma grande roda com dez núcleos, em referência aos dez capítulos de 'Um Defeito de Cor'. Começamos com artes africanas, pois a obra também se inicia lá. A maioria (90%) dos artistas participantes é negra e está em atividade. Abordamos temas como travessia do Atlântico, escravidão, empreendedorismo negro, amores, sororidade, religião, luto e lutas.”


A curadora Amanda Bonan explica que ficção e realidade se misturam na exposição: “A gente parte do ficcional, sem pretensão de ser algo biográfico. O grande lance é manter o público na dúvida. Inclusive, esta é uma reivindicação do movimento negro: o direito à fabulação, à invenção.”


Segundo Amanda Bonan, a escritora se inspirou em uma carta que Luiz Gama escreveu para a mãe, Luiza Mahin, e a exposição apresenta um vídeo em que o ator Lázaro Ramos lê esse documento. “A verdadeira carta é do filho para a mãe, foi ele quem passou a vida toda buscando por Mahin. Ana Maria, então, constrói e adensa essa personagem a partir da descrição de Gama.”


A mostra, idealizada e concebida pelo Museu de Arte do Rio (MAR), com parceria institucional da Organização dos Estados Ibero- -Americanos (OEI), conta com mais de 370 obras de arte. Entre elas, desenhos, pinturas, esculturas, fotografias, vídeos, áudios, tecidos, objetos e instalações, feitas entre os séculos 19 e 21 por cerca de 140 artistas brasileiros e internacionais, sobretudo africanos.  


A exposição também apresentará obras inéditas, como um retrato de Ana Maria Gonçalves feito pela artista carioca Panmela Castro e um grande mural na entrada da unidade – pintado pelo artista Emerson Rocha. A mostra também inclui fantasias, adereços e croquis do desfile de 2024 da Escola de Samba Portela, que homenageou o livro em seu samba-enredo, sob o comando dos carnavalescos Antônio Gonzaga e André Rodrigues.


O público ainda verá, pela primeira vez, a pintura criada pelo artista paulistano Moisés Patrício em que retrata uma cena de terreiro de candomblé, e esculturas do paraibano Thiago Costa, que utiliza ferramentas e instrumentos religiosos de terreiro em seu trabalho. A arquiteta Aline Arroyo assina a expografia, que contou com a consultoria de Ayrson Heráclito, e a paisagem sonora é do pesquisador e músico Tiganá Santana, em colaboração com Jaqueline Coelho.


A exposição “Um Defeito de Cor” estará aberta ao público, a partir do dia 25 de abril e vai até 1º de dezembro, no Espaço Expositivo do Sesc Pinheiros, localizado na Rua Paes Leme, 195. A visitação ocorrerá de terça a sábado, das 10h30 às 21h, e aos domingos e feriados, das 10h30 às 18h. A entrada é gratuita e haverá estacionamento disponível no local. Grupos interessados em agendar visitas podem entrar em contato através do e-mail: agendamento.pinheiros@sescsp.org.br.

コメント


bottom of page