google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

Royal Society of Literature em rebelião

Royal Society of Literature em rebelião

Os membros da Royal Society of Literature, fundado em Londres em 1820, pareciam prontos para entrar no novo ano em uma base ousada, com um programa inclusivo de eventos e uma associação revitalizada. Sua presidente vencedora do prêmio Booker, Bernardine Evaristo, ao lado do poeta Daljit Nagra, presidente do conselho de liderança da sociedade, prometiam mais modernização. Mas uma grande revolta entre os companheiros de longo prazo ameaça agora desestabilizar a sociedade.


Criada sob o patrocínio de Jorge IV para "premiar o mérito literário e estimular o talento literário", a sociedade, com sede em Somerset House, ainda tem patrocínio real da rainha Camilla. Mas aqueles que criticam seu passado recente falam de uma instituição destinada a abrigar talentos de elite, em vez de representar a comunidade mais ampla de escritores talentosos.


Os planos da sociedade para 2024 incluem uma mudança no método de eleição de bolsistas, que antes eram reconhecidos por escrever um mínimo de dois livros distintos. Em vez disso, o público será convidado a recomendar escritores para a bolsa e, em seguida, uma série de painéis eleitorais mais amplos considerará as recomendações.


Em um discurso proferido no ano passado, Bernardine Evaristo contestou a suposição de que a Royal Society of Literature ainda era "antiquada". Era, segundo ela, agora "muito voltado para o futuro, muito progressista e comprometido com a inclusão em todos os níveis". A escritora avaliou que a instituição "precisava mudar" para se tornar uma que fosse "para todos os escritores, em vez de tradicionalmente escritores que são brancos e de classe média", e por isso no ano passado 62 novos bolsistas foram empossados. Sob a liderança diária da diretora Molly Rosenberg, a sociedade ganhou mais financiamento e abandonou sua atmosfera acolhedora.


As mudanças anunciados por Evaristo, destinados a tornar a Royal Society of Literature mais relevante e mais diversa, provocaram uma verdadeira rebelião. Em meio a alegações de desrespeito aos procedimentos adequados, uma série de renúncias se seguiu. Houve uma recente decisão do historiador e romancista Piers Paul Read de sair em resposta a um pedido inicial de colegas mais jovens. Entre as mais recentes a sair da sociedade está a romancista e biógrafa Miranda Seymour. Philip Pullman deixou o cargo de presidente no ano passado porque alegou que não poderia falar livremente na posição em que estava.


Os problemas começaram de fato em novembro, onde a discussão sobre o apoio público a Salman Rushdie, vítima de um ataque terrorista a facadas, foi simplesmente encerrada pela liderança não oferecendo mais apoio ao escritor. Então, uma decisão de abandonar uma edição completa da revista anual da sociedade, Review, bem como dizer um adeus abrupto à sua editora de sete anos, a escritora Maggie Fergusson, resultou em uma onda de dissidência.


Toda a situação está sendo amplamente criticada nas redes sociais por muitos autores, incluindo Philip Hensher e Aminatta Forna, que questionaram a marginalização da coorte mais velha. A Royal Society of Literature não respondeu oficialmente às críticas e comentários, mas este fim de semana a direção enviou uma carta para alertar os membros para "uma campanha concertada de desinformação" e pedir-lhes que não partilhem esta "desinformação".


Fonte da matéria aqui.

bottom of page