google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

Relatos do Mundo Crítica

Relatos do Mundo Crítica

Esse texto pode conter possíveis SPOILERS.

 

Sinopse: No ano de 1870, o Capitão Jefferson Kyle Kidd, um viúvo que já lutou em duas guerras, viaja através do Texas oferecendo notícias do mundo para as pessoas, apesar dos jornais estarem se tornando cada vez mais acessíveis. Ele aceita uma proposta para levar uma menina de 10 anos, Johanna, até seus familiares. Criada pela tribo Kiowa, ela não conhece sua família e tem um comportamento hostil com as pessoas ao seu redor, mas acaba criando um vínculo com Kidd, forçando os dois a lidarem com as difíceis escolhas sobre o futuro.

 

Crítica: Tom Hanks lidera este faroeste belamente filmado, mas impassível e moderadamente autossuficiente, baseado no romance de 2016 de Paulette Jiles, "Relatos do Mundo" é dirigido por Paul Greengrass, que co-escreveu o roteiro com Luke Davies, mas principalmente sem o dinamismo e a ação visceral pela qual o livro é conhecido.

 

Hanks interpreta o capitão Jefferson Kyle Kidd, ele mostra ainda ser um ator ágil e sutil, geralmente a serviço de nos ensinar uma lição cívica. O ator não interpretou exatamente um personagem no recente 'Greyhound', mas sim um modelo de herói americano, aqui Tom Hanks dá um tipo de desempenho semelhante. Johanna é interpretada pela jovem atriz Helena Zengel, mas infelizmente, o roteiro e o filme não permitem que ela mostre toda sua capacidade.

 

O homem e a garota formam uma conexão poderosa ao longo do filme, unidos pela perda e necessidade mútuas neste ambiente inóspito. No cerne da história está a sensação de que nenhum deles se encaixa em qualquer lugar neste mundo tumultuado. Se o arco emocional do filme parece um pouco previsível daqui em diante, isso não torna o filme desagradável.

 

A improvável dupla não tem escolha a não ser se unir enquanto atravessa uma paisagem traiçoeira e austera, retratada com um beleza incomum por Greengrass e o diretor de fotografia Dariusz Wolski, aqui está o maior sucesso do filme, o de dar vida à paisagem.

 

Com a trilha sonora exuberante e comovente de James Newton Howard definindo o tom épico e o diretor de fotografia Dariusz Wolski fornecendo visuais impressionantes do Novo México, 'Relatos do Mundo' tem um ritmo bastante deliberado que permite o inevitável ligação entre o cansado e duro, mas de bom coração, Jefferson e a selvagem e rebelde Helena, que passa a confiar talvez no primeiro adulto que já demonstrou sua compaixão e bondade.

 

O único momento em que o filme realmente te captura, é quando três homens profundamente desagradáveis ​​se interessam pela garotinha loira querendo tomá-la à força. Uma perseguição muito tensa se segue, com Kidd muito bem ciente de que sua espingarda está cheia apenas com chumbo inútil. Este é um momento em que a decência livre de riscos de Hanks é testada de forma sensacional. É uma cena poderosa, onde a perícia de ação de Greengrass de repente explode.

 

'Relatos do Mundo' pretende ser uma parábola da vida moderna. Greengrass sugere que a ignorância ou desconfiança em relação às notícias não é nada novo, mas sim o alicerce da formação da América, permitindo que homens fortes com fins lucrativos criem sociedades à sua própria imagem, manipulando as massas. O filme funciona nos níveis mais altos como uma história de duas almas perdidas que se encontram, mas o espírito faroeste se perde no gênero roadtrip episódico demais.

 

Nota: 7




Comments


bottom of page