google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

Tom Parker Bowles e mais 21 escritores escolhidos para a biblioteca da Queen’s Dolls House

Atualizado: 22 de fev.

Tom Parker Bowles e mais 21 escritores escolhidos para a biblioteca da Queen’s Dolls House

Tom Parker Bowles está entre os 21 escritores escolhidos para fornecer um retrato da literatura contemporânea como parte do 100º aniversário da Queen’s Dolls House, a casinha de bonecas mais famosa do mundo.


O escritor de gastronomia se junta a Alan Bennett, ao poeta laureado Simon Armitage e à vencedora do prêmio PEN Pinter Malorie Blackman em uma biblioteca moderna em miniatura de manuscritos de 4,5 cm de altura. Uma pequena cópia de "A Recipe Fit for a Queen", do autor Tom Parker Bowles, ficará ao lado de obras de nomes como Lucy Caldwell, Bernardine Evaristo, Sebastian Faulks, Elif Shafak, Tom Stoppard e Jacqueline Wilson.


A casa de bonecas, que foi construída entre 1921 e 1924 como um presente da nação para a rainha Mary após a primeira guerra mundial, é a maior e mais famosa do mundo, e sempre esteve em exibição no Castelo de Windsor. O responsável pela construção da mini casa foi o famoso arquiteto britânico Edwin Lutyens.


Esta é uma casa que conta histórias de época inesquecíveis e que nos remete para o mundo dos príncipes e das princesas, especialmente recordando a nossa infância. Por exemplo, há quadros da Alice no País das Maravilhas expostos nos corredores da casa.


A réplica perfeita em escala 1:12 de uma residência de estilo eduardiano. A casa inclui eletricidade, água quente e ainda elevadores. Tem dois metros de altura e cada quarto está completamente mobilado com móveis e obras artísticas raras, como quadros, candeeiros, candelabros, flores verdadeiras, tapetes, louça preciosa entre outros itens que compõe o resultado final.


Queen’s Dolls House está repleta de contribuições de mais de 1.500 dos melhores artistas, artesãos e fabricantes da época. Um de seus maiores tesouros é sua biblioteca, que capturou a cultura literária da década de 1920 por meio de livros em miniatura escritos à mão pelos principais escritores da época, de Sir Arthur Conan Doyle e Vita Sackville-West a AA Milne e Thomas Hardy. A iniciativa centenária, defendida pela rainha, estabelecerá uma biblioteca de obras modernas para ficar ao lado dos manuscritos originais.


As obras vão desde contos, coletâneas de poesia e contos ilustrados até peças de teatro, artigos e receitas – muitas escritas especialmente para a ocasião. Há também obras de Joseph Coelho, Imtiaz Dharker, Julia Donaldson e Axel Scheffler, Philippa Gregory, Robert Hardman, Anthony Horowitz, Charlie Mackesy, Sir Ben Okri, Sarah Waters e AN Wilson.


Cada manuscrito foi encadernado à mão com uma capa única por um designer-encadernador líder. Camilla também contribuiu com seu próprio livro em miniatura, uma introdução manuscrita ao projeto, que apresenta uma versão de 7 mm de altura com ferramentas de ouro de seu cypher – o mesmo tamanho do cypher da rainha Mary nos livros originais na década de 1920.


Para marcar o centenário, outros itens dentro da casa de bonecas também estarão em exibição especial na Windsor Castle’s Waterloo Chamber, incluindo um piano de cauda em miniatura totalmente amarrado e joias da coroa incrustadas com diamantes reais.



Fonte da matéria aqui.

Comments


bottom of page