google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa Crítica

Atualizado: 9 de out. de 2023


O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa Crítica

Esse texto pode conter possíveis SPOILERS.

Sinopse: Lúcia (Georgie Henley), Susana (Anna Popplewell), Edmundo (Skandar Keynes) e Pedro (William Moseley) são quatro irmãos que vivem na Inglaterra, em plena 2ª Guerra Mundial. Eles vivem na propriedade rural de um professor misterioso, onde costumam brincar de esconde-esconde. Em uma de suas brincadeiras eles descobrem um guarda-roupa mágico, que leva quem o atravessa ao mundo mágico de Nárnia. Este novo mundo é habitado por seres estranhos, como centauros e gigantes, que já foram pacífico, mas hoje vivem sob a maldição da Feiticeira Branca, Jadis (Tilda Swinton), que fez com que o local sempre estivesse em um pesado inverno. Sob a orientação do leão Aslam, que governa Nárnia, as crianças decidem ajudar na luta para libertar este mundo do domínio de Jadis.

Crítica: O filme parece feito sob medida para seguir 'O Senhor dos Anéis' como um ciclo de filmes. 'As Crônicas de Nárnia' foi escrito aproximadamente na mesma época, os livros podem ter como alvo uma faixa etária mais baixa, mas compõem uma saga de fantasia semelhante e ambientada em um mundo igualmente complexo. Em uma Hollywood onde as crianças são o público do dinheiro e a franquia é o nome do jogo, o que poderia ser mais lógico do que uma versão cinematográfica de 'O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa'?

A aposta pode valer a pena para a Disney, que não poupou despesas na produção e comercialização do filme. É um filme infantil sólido e respeitável que habilmente explora todos os elementos usuais de bilheteria; heróis infantis cumprindo profecias, criaturas fantásticas, cenas de batalha e muitos efeitos especiais.

O diretor de 'Shrek', Andrew Adamson, faz uma impressionante estreia em um filme de ação ao vivo com esta enérgica adaptação. Embora muito do tema original cristão da série de livros tenha sido deixado de lado e um pouco jogado nas entrelinhas, 'O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa' é, antes de tudo, um conto de fadas repleto de ação.

A inspiração especial e a magia que fez os livros virarem um clássico instantâneo e acessível a todas as faixas etárias, não existe. C. S. Lewis foi um notável apologista cristão e sua história tem uma moral, mas o filme está mais interessado em entregar uma fantasia de empoderamento.


A cinematografia e os efeitos especiais são os mais notáveis aqui. Os personagens gerados por computador são lindamente realizados e aprimorados pelos atores que emprestam suas vozes. O trabalho é realmente muito bem feito, já que seus efeitos especiais acabaram ganhando muitas indicações em grandes premiações, inclusive o filme levou um Oscar para Nárnia na categoria de Melhor Maquiagem.

As criações CGI são de última geração, assim como a épica batalha culminante, que constrói sobre os efeitos inovadores de 'O Senhor dos Anéis'. Para aqueles que esperam que 'O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa' seja mais do que uma fantasia opulenta de poder infantil, há espaço para alguma decepção. Tem pouco impacto alegórico e o desenvolvimento do personagem é pouco convincente.

O filme também tem dificuldade para começar, as crianças fazem um bom trabalho em habitar seus personagens, mas alguns do elenco são fracos (as três estrelas infantis mais velhas são bastante sem graça) e, por mais proficiente que seja no departamento técnico, falta qualquer centelha emocionante de originalidade.

Embora se arraste em partes, particularmente nos confrontos prolongados entre criaturas de aparência estranha, 'O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa' é uma representação fiel de um conto mágico que deve prender a atenção dos adultos e encantar os jovens espectadores. O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa Crítica

Nota: 7

Comprando com o meu link, você ajudará na permanência do meu trabalho.


bottom of page