google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa Resenha

Atualizado: 24 de abr.

O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa Resenha

Esse texto pode conter possíveis SPOILERS.

Sinopse: Durante os bombardeios da Segunda Guerra Mundial de Londres, quatro irmãos ingleses são enviados para uma casa de campo onde eles estarão seguros. Um dia, Lucy encontra um guarda-roupa que a transporta para um mundo mágico chamado Nárnia. Depois de voltar, ela logo volta a Nárnia com seus irmãos, Peter e Edmund, e sua irmã, Susan. Lá eles se juntam ao leão mágico, Aslan, na luta contra a Feiticeira Branca.

Resenha: 'O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa' é talvez um dos mais famosos livros que englobam a coleção 'As Crônicas de Nárnia', trata-se do primeiro a ser publicado e também a ser adaptado para o cinema, apesar de ser o segundo na ordem cronológica.

O texto de C. S. Lewis funciona bem como obra infantil e possui uma aventura que irá agradar até os mais adultos, a história aqui é curta, mas rica em detalhes, sendo uma obra agradável de ler. O segundo livro de Nárnia possui uma escrita leve e suave, que permite ser lido rapidamente.

O narrador é onisciente (em terceira pessoa) que vem a nos inteirar dos mais diversos acontecimentos da narrativa, bem como da transição para diversos cenários e do pensamento de diversos personagens.

A obra aborda profundamente a relação entre os irmãos como o cerne da história, mostrando o quão forte é essa conexão entre eles, superando os diversos fatores que os colocam em conflito. Aslam e a Feiticeira Branca são sem dúvidas os personagens mais eminentes na descrição do autor, o impacto de suas respectivas presenças é sentido pelo leitor também.

Quem rouba a atenção também é Edmundo por ser uma representação extremamente humanizada da infância e como o mundo ao seu redor tem impacto direto em suas decisões. Ele não é ruim ou traidor e sim, simplesmente um jovem que está distante da autoridade dos irmãos mais velhos, mas também longe do protecionismo recebido pela irmã caçula, por isso sua necessidade imprudente de se provar a todo instante.

Um ponto legal que fica marcado na obra, embora não seja tão explorado, é o cenário de guerra que assombra a Inglaterra e desestabiliza todas as famílias que ali vivem. O guarda roupa e o universo de Nárnia acabam servindo como válvula de escape para essas crianças finalmente terem autonomia de tomarem as rédeas da situação. Apesar de tudo, como obra infantil, é difícil que você encontre um aprofundamento maior nessas questões históricas.

Há um grande paralelo bíblico, para mim é a grande graça desse livro, que tem a ver com o Evangelho e ao sacrifício de Cristo, quando na cena em que Aslan se oferece em sacrifício pela traição de Edmundo, bem como toda a batalha do bem contra o mal e a espera da vinda de um reino de paz e prosperidade duradouras. As comparações bíblicas já foram feitas no primeiro volume, onde o leitor pode comparar toda a criação do mundo de Nárnia ao livro de Gênesis.

'O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa' é uma obra de fantasia simples e de fácil leitura, acessível para todas as idades. O livro ainda pode encantar gerações a mais de 60 anos pela sua originalidade e forte mensagem de esperança.


Nota: 9


Comments


bottom of page