google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

O Guia do Mochileiro das Galáxias Série Crítica

Atualizado: 17 de mai.

O Guia do Mochileiro das Galáxias Série Crítica

Esse texto pode conter possíveis SPOILERS.

Sinopse: A série de TV usou o mesmo roteiro da versão de rádio e seguiu as aventuras do infeliz inglês Arthur Dent que, após ter seu planeta demolido pelos Vogons na manhã de quinta-feira, é salvo por seu melhor amigo Ford Prefect. Pegando uma carona em uma nave espacial que passa, ele começa uma aventura selvagem pedindo carona ao redor do universo com nada além de uma toalha e um livro.

Crítica: Rotulado por produtores como 'infilmável', 'O Guia do Mochileiro das Galáxias' foi ao ar na BBC dois em janeiro de 1981 para um público ansioso. A premiada série estrelou muitos dos membros do elenco original, incluindo Simon Jones como Arthur Dent, Mark Wing-Davey como Zaphod Beeblebrox e Peter Jones como a voz do guia; no entanto, para a série de TV, um novo Trillian e Ford Prefect foram necessários. O papel de Ford foi para David Dixon, pois ele era mais adequado visualmente para o papel e Sandra Dickinson estrelou como Trillian quando Susan Sheridan não estava disponível para filmar.

A trama se concentra em Arthur Dent, que é brilhantemente interpretado por Simon Jones. Jones interpreta perfeitamente o típico inglês enquanto tenta navegar pelo universo, enquanto procura uma boa xícara de chá. Simon Jones faz um trabalho maravilhoso reagindo a monstros de olhos esbugalhados e novos planetas estranhos, e tropeça pelo universo com uma expressão permanentemente confusa em seu rosto.

Isso contrasta fortemente com todos os outros personagens; Ford em particular, que é o mais estranho de todos. Ele está explodindo de energia e excitação infantil e não parece em casa em lugar nenhum. Dixon dá uma fantástica performance com suas expressões faciais peculiares e uma abordagem despreocupada e irreverente de tudo.

Acompanhando-os está Zaphod Beeblebrox. Mark Wing-Davey está claramente muito confiante no papel de Zaphod e faz uma performance muito teatral, atuando e parecendo uma estrela do rock. Trillian, a única personagem feminina da série, é retratada de maneira muito diferente tanto do livro quanto da versão de rádio, na série de TV ela é loira, americana e não parece ter muita importância na trama geral. No entanto Sandra Dickinson aproveita ao máximo o roteiro e dá a Trillian uma personalidade mais forte.


A série de TV não é melhor ou pior do que você poderia esperar de uma série de ficção científica da BBC do início dos anos 1980, especialmente uma produzida por um homem mais conhecido como produtor e diretor ocasional do filme de longa duração. ‘O Guia do Mochileiro das Galáxias' tem boas atuações, mas escorrega um pouco no ritmo, ficando muito chato em alguns momentos.

A série é visualmente muito boa, a escala dos cenários e seu nível de detalhes são impressionantes. Muitos dos efeitos usados ​​ainda estavam em fase experimental na época. Embora os conjuntos e seu esquema de cores pareçam compreensivelmente datados agora, especialmente aspectos do Coração de Ouro e Miliways, eles ainda são muito eficazes.

O enredo gira em grande parte em torno do Guia, que é um personagem em si. Ele define a série e reùne todos os personagens. Dublado por Peter Jones, as entradas satíricas do guia são par￳dias da cultura moderna, assim como toda a série. A narrativa vem sempre acompanhada de animações bem coloridas meio estilo 8 bits na tela. Essa escolha deu um ar muito criativo e visualmente hipnotizante para a série.

Com efeitos que gritam “1981”, 'O Guia do Mochileiro das Galáxias' tem muito charme, uma série que sempre se destaca em termos de roteiro e valores de produção. A série leva seu público a uma aventura selvagem cheia de reviravoltas inesperadas. É um clássico britânico que conquistou a imaginação do público por mais de trinta anos.


Nota: 7




Comments


bottom of page