google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

O Guia do Mochileiro das Galáxias Livro VS Filme

Atualizado: 22 de abr.

O Guia do Mochileiro das Galáxias Livro VS Filme

Douglas Adams expandiu sua ópera espacial excêntrica em uma série de romances que consolidaram ainda mais seu trabalho como uma das, senão a mais popular e bem-sucedida série de ficção científica de todos os tempos. Logo depois se transformou em um programa de televisão e videogame, mas foi apenas em 2005 que um filme foi lançado. Como em cada reiteração do Guia do Mochileiro das Galáxias, sempre há algumas diferenças notáveis.

Abaixo eu vou citar algumas diferenças entre o livro e o filme lançado em 2005, não preciso dizer que o texto a seguir está cheio de spoilers, tanto do filme como do livro, para os mais sensíveis, pode procurar outra coisa para ler aqui no blog.

1. O livro é escrito com uma narração onisciente em terceira pessoa. Além de incluir passagens completas do Guia, que é um texto dentro do texto, o narrador pode ver um futuro distante e dimensões alternativas, geralmente cheio de tangentes que os personagens da história não conhecem, portanto, são difíceis de incluir no filme. Stephen Fry replica parte disso no longa com sua narração impecavelmente britânica, mas há muitos que simplesmente não aparecem.

2. Uma das diferenças mais visíveis do livro é a escalação do rapper e ator Yasiin Bey, como Ford Prefect. Nos livros, embora ele seja na verdade um alienígena, Ford está se passando por um ator desempregado de Guildford com cabelos "escuros e ruivos" e quase certamente é branco. O elenco de Bey adiciona um elemento muito bem-vindo de diversidade a um filme totalmente branco, mas que foge da fisicalidade real do personagem.

3. No livro, o atrapalhado e egocêntrico Presidente da Galáxia Zaphod Beeblebrox tem duas cabeças, lado a lado, e três braços no total: um à esquerda, dois à direita, mas o filme se apega à forma natural do ator Sam Rockwell 99% do tempo. No filme, a segunda cabeça de Zaphod se esconde em seu peito e seu terceiro braço passa a maior parte do tempo retraído.

4. No livro, Pensamento Profundo é do "tamanho de uma cidade pequena", mas todas as conversas dramáticas com o computador acontecem em um "escritório executivo especialmente projetado", que tem todas as armadilhas elegantes e obcecadas por tecnologia de negócios contemporâneos. O filme, por outro lado, transforma o Pensamento Profundo em um obelisco gigante em forma de escultura que evoca algo mais como o temor religioso de templos ou pirâmides. Em vez de programadores "vestidos sobriamente" com pastas, Pensamento Profundo é abordado por seres em mantos e perucas esvoaçantes, e toda a sequência assume um tom muito menos secular.

5. No livro, a Terra é o resultado de um console de mesa tentando calcular o resultado final para alguns empurradores de números. No filme, a Terra é a criação de um ser quase sobrenatural semelhante a uma esfinge com a voz de Helen Mirren.

6. 'O Guia do Mochileiro das Galáxias' é conhecido por seu humor excêntrico e sardônico e um momento que exemplifica isso é Ford convencendo o vereador a ocupar o lugar de Arthur na frente da escavadeira que deveria demolir sua casa. Ford argumenta que, como Arthur Dent (Martin Freeman) ficaria na frente da escavadeira o tempo todo, seu lugar pode ser facilmente ocupado por outra pessoa para permitir coisas como ir ao bar. Infelizmente, esse momento hilário e ridiculamente estranho está faltando no filme e Ford (Mos Def) dá à equipe de demolição algumas cervejas para impedi-los de trabalhar.

7. Para um livro que se passa no espaço, a tripulação do Coração de Ouro faz muito poucas viagens espaciais e visita apenas um planeta, Magrathea. No entanto, no filme, o grupo não apenas vai para Vitvodle VI, o pequeno planeta do povo Jatravartid, mas também viaja para o triste mundo natal dos Vogons, Vogsphere.

8. No livro, Arthur, Trillian, Zaphod e Ford são imobilizados por fogo pesado de dois policiais intergalácticos que aparecem do nada e param de atirar repentinamente quando seus sistemas de suporte de vida falham inexplicavelmente. Depois de investigar, a gangue descobre que Marvin estava conversando com o computador da nave dos policiais, que controlava o suporte de vida - durante a conversa com o famoso negativo Marvin, o computador ficou tão deprimido que se matou. No filme, os vogons aparecem em massa para atirar desenfreadamente na casa recriada de Arthur na Terra 2.0, e a única coisa que os impede é Marvin atirando neles com a arma de ponto de vista, deixando-os deprimidos.

9. Como todos os fãs da série sabem, a coisa mais importante que um mochileiro é a sua toalha. No livro, isso aparece como uma entrada singular no guia e explica o valor prático e, mais importante, o valor psicológico de ter uma toalha. No entanto, ao longo do livro, Ford e Arthur realmente não usam suas toalhas. O filme pula completamente a entrada da toalha, mas Ford e Arthur raramente são vistos sem suas toalhas de confiança. Eles os usam como lenços, escudos e até mesmo como uma arma para pegar uma criatura em forma de espátula que dá um tapa em qualquer um com uma ideia no Planeta Vogsfera.

10. Humma Kavula (John Malkovich) e o vice-presidente da Galáxia Questular Rontok (Anna Chancellor) são dois personagens que só existem no filme. Kavula é um ex-oponente político de Zaphod (Sam Rockwell) e líder da religião Jatravartid. Rontok atua como o segundo em comando de Zaphod e também está perdidamente apaixonado por ele. Embora Adams tenha morrido antes do lançamento do filme, ele ainda teve uma contribuição substancial no filme e criou Kavula especificamente para o filme.

11. Uma das mudanças mais notáveis ​​no filme foi a presença contínua dos vogons, uma espécie verdadeiramente desagradável com uma devoção absurda à ordem burocrática. No livro, eles são a primeira introdução de Arthur a uma espécie verdadeiramente alienígena e servem como uma maneira de Ford e Arthur chegarem ao Coração de Ouro.

12. Magrathea é um planeta que abriga um luxuoso serviço de construção de planetas e nele, Arthur descobre que a Terra é na verdade um complicado programa de computador destinado a descobrir a questão final da vida, do universo e tudo mais. No filme, Ford, Zaphod e Trillian passam por um portal, onde encontram o Pensamento Profundo e recebem a Arma do Ponto de Vista, enquanto no livro, eles são mantidos em cativeiro em uma sala de catálogo. Notavelmente, a versão cinematográficas mostra Arthur indo para a nova Terra para se encontrar com os ratos em uma c￳pia exata de sua casa, enquanto no livro tudo acontece em uma sala de espera pertencente aos Magratheans.

13. No livro, o relacionamento de Arthur e Trillian esfria um pouco e não aparece fortemente na hist￳ria abrangente. No entanto, o relacionamento deles são muito mais intenso no filme e Arthur está completamente, e às vezes, embaraçosamente apaixonado por Trillian.

14. A versão cinematográfica de Zaphod é muito mais desagradável e idiota e, no geral, carece da profundidade e complexidade do personagem do livro.

15. Mais importante, o filme ignorou completamente a revelação importante e intrigante de que Zaphod só se tornou presidente da Galáxia para roubar o Coração de Ouro e que havia retirado partes de seu cérebro para se esconder dos exames que precisava fazer para poder tornar-se presidente.

16. A maioria dos filmes tem um final feliz e 'O Guia do Mochileiro das Galáxias' não é exceção, pois a Terra destruída é substituída. Depois que Arthur esmagou os ratos e Marvin derrotou os vogons, a Terra continua como se nada tivesse acontecido. No entanto, isso não acontece nos livros e a Terra está perdida para sempre. Isso até o quarto livro, onde a Terra retorna misteriosamente.

17. No livro, Zaphod diz como alguém tem controlado parte de seu cérebro e lhe dado ideias, como concorrer à presidência e depois roubar a nave Coração de Ouro. Isso não é mostrado no filme, e é o próprio Zaphod quem está interessado em aprender as perguntas e respostas para o universo.

18. Ouvimos tudo sobre Pensamento Profundo através de Zaphod, enquanto no livro não ouvimos nada disso até Arthur conhecer Slatibartfast. No livro, Slatibartfast está contando a Arthur tudo sobre Magrathea, o Pensamento Profundo e tudo mais.

O filme simplesmente não é tão inteligente e espirituoso quanto o livro. No entanto, você pode ver que eles tentaram atrair os fãs do livro. O elenco é incrível, e eu achei que tinha gráficos impressionantes e efeitos práticos que ainda hoje se destacam. Para quem me acompanha por aqui sabe que eu não sou muito fã de 'O Guia do Mochileiro das Galáxias'. Provavelmente não vou surpreender absolutamente ninguém ao dizer isso, mas prefiro o livro ao filme.

Eu tenho certeza que tem muito fã aqui que notou muitas mais diferenças entre o livro e o filme, que eu deixei passar, então comentei aqui em baixo outras observações.




Comentarios


bottom of page