google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

Mortal Kombat: A Aniquilação Crítica

Mortal Kombat: A Aniquilação Crítica

Esse texto pode conter possíveis SPOILERS

 

Sinopse: Shao Khen, o imperador do Outworld, desrespeita todas as regras de Mortal Kombat e abre ilegalmente as portas entre o seu reino e a Terra. Se elas permanecerem abertas por sete dias será o fim dos humanos, assim, um grupo de guerreiros tem seis dias para fechar as portas e salvar a Terra, mas para isto precisam enfrentar e vencer as demoníacas forças do Outworld.

 

Crítica: "Mortal Kombat: A Aniquilação" é o filme que segue a franquia para seu fenomenal e inesperadamente bem-sucedido longa-metragem de 1995, que por si só foi baseado em um videogame extraordinariamente bem-sucedido que também gerou outros inúmeros produtos.

 

Seria errado reclamar que o enredo é uma bobagem sem sentido, povoada por personagens de papelão e uma escassez de ideias. Apenas Remar oferece algo parecido com uma performance, a maioria dos outros atores parece feliz apenas em flexionar músculos e fazer caretas.

 

O filme nada mais é do que uma cadeia perpétua de sequências de luta elaboradamente coreografadas que misturam primeiros planos de ação ao vivo com efeitos digitais em camadas complexas e estão ligados pelos mais frágeis e risíveis elementos da trama. Qualquer coisa é motivo para uma sequência de batalha ou um motivo para os personagens saltarem, pularem ou se transformarem.

 

Não há sangue, ossos quebrados ou hematomas, os fãs do jogo, assim como no primeiro filme, podem ficar um pouco desapontados, pois "Mortal Kombat: A Aniquilação" evita o banho de sangue dos jogos. Mas temos muito barulho, a sequência também pode ser qualificada como o filme musical mais barulhento já feito. A trilha sonora coberta por um techno irritante, que lembra uma serra circular, é bombeada a níveis ensurdecedores durante quase todo o filme.

 

Seus efeitos especiais fazem seus combatentes girar e voar, girar e voar, o tempo todo socando e chutando uns aos outros como britadeiras, apenas para deixar os espectadores totalmente impassíveis. O diretor estreante John R. Leonetti, filma algumas das cenas de luta em ângulos que tornam impossível ver o que está acontecendo. As sequências de luta são mal editadas, monotonamente coreografadas e aprimoradas com CGI que pareceriam datadas em um vídeo pop dos anos 80.

 

"Mortal Kombat: A Aniquilação" é um exercício de como fazer filmes para meninos adolescentes; muita luta, mulheres lutando na lama e alguns close-ups na virilha de várias lutadoras, só faltou mesmo levar a sério os fatality. Para uma pessoa obcecada por videogame, o filme pode ser uma grande coisa. "Mortal Kombat: A Aniquilação" é intencionalmente exagerado de uma beleza sombria, porém sem brilho algum. O filme serpenteia quase sem motivo ou razão, até chegar ao final, sem inteligência, sem charme e sem noção.

 

Nota: 2



Comentários


bottom of page