google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

Melodia da Broadway (1929) Crítica

Melodia da Broadway 1929 Crítica

Esse texto pode conter possíveis SPOILERS.

 

Sinopse: As irmãs e atrizes de vaudeville Hank e Queenie Mahoney chegam à Broadway, onde o amigo Eddie Kerns prepara a apresentação do show de Francis Zanfield. Eddie já conhecia Hank, por quem um dia foi apaixonado. Mas ele nunca tinha visto Queenie. E foi amor à primeira vista. Ocorre que ela está envolvida com um homem da alta sociedade de Nova York, Jock Warriner, e por isso resiste às investidas do rapaz. Até que Queenie perceba que é apenas um passatempo para o rico Jock, levará algum tempo para ela começar a se interessar por Eddie.

 

Crítica: Vencedor do Oscar de Melhor Filme em 1930, 'Melodia da Broadway' entra na lista daqueles filmes que ganharam o prêmio, mas que não mereciam. Eu não vou escrever aqui que tudo nesse longa-metragem musical é ruim. O tom de humor, uma vez ou outra, arranca algum riso. Duas canções do filme realmente valem a pena, a romântica 'You Were Meant For Me' e a graciosa e bem executada 'Truthful Parson Brown'.

 

Dirigido por Harry Beaumont, o filme marcou época, foi um grande sucesso de bilheteria (o filme custou 379 mil dólares e arrecadou pouco mais de 2,8 milhões, só nos Estados Unidos) e ainda gerou três sequências, 'Melodia da Broadway' de 1936, 'Melodia da Broadway' de 1938 e 'Melodia da Broadway' de 1940.

 

Se olharmos para a história do cinema, é possível encontrar explicações históricas e artísticas para a boa recepção e legado do filme. É importante termos em mente que 'Melodia da Broadway' é um musical e este gênero era uma grande novidade na época. Até aquele momento, apenas cinco musicais haviam sido lançados, sendo os mais famosos 'O Cantor de Jazz' de 1927, também conhecido por ter sido o primeiro “filme sonoro” da história do cinema, e 'A Última Canção' de 1928, ambos protagonizados por Al Jolson e produzidos pela Warner Bros.

 

Aqui há uma história muito simples projetada para reunir apresentações de canto e dança. O principal problema é que os números musicais parecem prolongar demais essa curta história, o que meu deu a sensação de que as músicas estão sendo usadas para prolongar o tempo de execução.

 

A relação dos personagens mostram egos conflitantes e artistas nervosos, demonstrando a atmosfera turbulenta das celebridades de Nova York, embora mesmo no final dos anos 20 o tema pareça cansado. Um enredo muito simples, mas muito melodramático o que me fez achar 'Melodia da Broadway' muito chato.

 

Do trio de atores principais, apenas Charles King sabia cantar, mas infelizmente a sua atuação não é uma das melhores de assistir. Anita Page começou sua carreira no cinema mudo, mas rapidamente fez a transição para o cinema falado. Em 1929, a loira estava no auge de sua popularidade. Bessie Love teve a corrida mais longa e constante de qualquer um dos três. Sua primeira aparição na tela foi em 1915 e a última em 1983. Nesse meio tempo, ela fez mais de 100 filmes e nunca passou mais de cinco anos sem um papel. 

 

É impossível negar o valor histórico, talvez um pouco técnico também, de 'Melodia da Broadway'. Foi difícil para mim não sofrer impacto dos seus tediosos cem minutos de duração. O longa-metragem vale a pena se o espectador quiser completar a lista de filmes vencedores do Oscar ou de obras com valor notável para o desenvolvimento da arte cinematográfica, mas para quem procura um bom filme, eu sinto em lhe informar, 'Melodia da Broadway' não é bem o que você está precisando.

 

Nota: 5



Commentaires


bottom of page