google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

A polícia romana investigou o poeta, John Keats, antes de sua morte


John Keats

A polícia romana investigou John Keats pouco antes de sua morte, revelam documentos de arquivo do século 19. O estudioso de Keats, Alessandro Gallenzi, descobriu uma entrada nos registros da polícia romana sobre o poeta, sob o nome de "John Xeats".


O poeta inglês começou a sentir falta de ar e hemorragias pulmonares em 1820. Ele partiu para Roma com seu amigo Joseph Severn, em busca de tratamento, eles chegaram em 15 de novembro de 1820. Lá, Keats foi diagnosticado com tuberculose por seu médico, James Clark, que ajudou seu paciente a encontrar hospedagem com uma mulher que morava do outro lado da estrada, Anna Angeletti.


John Keats foi registrado como investigado, depois que a proprietária pediu que ele fosse retirado de casa porque ele não havia revelado a ela que tinha tuberculose, na época, a tuberculose era considerada contagiosa em Roma. Anna Angeletti apresentou uma queixa ao magistrado da polícia local, Stanislao del Drago, pedindo que Keats fosse removido de sua casa ou, caso ele morresse, que ela fosse reembolsada pelos custos incorridos pela higienização póstuma dos alojamentos de Keats.


Alessandro Gallenzi descobriu que, em 18 de dezembro, del Drago registrou um boletim de ocorrência na sede e a polícia abriu um caso, adicionando o nome de Keats ao registro de investigações. Em 19 de dezembro, o governador de Roma, Tommaso Bernetti, encaminhou a petição de Angeletti juntamente com uma carta ao secretário da Sacra Consulta, que tratava de casos de saúde pública.


Severn soube da investigação por Clark às quatro horas da manhã de 24 de dezembro. Em 27 de dezembro, o secretário da Sacra Consulta escreveu ao assessor especial Domenico Morichini, um proeminente médico a quem no ano anterior foi solicitado um parecer sobre a saúde de Napoleão.


Morichini reuniu-se com Clark e escreveu de volta à Sacra Consulta para assegurar-lhes que medidas sanitárias apropriadas seriam tomadas, incluindo a destruição de todos os móveis de Keats, o descarte de lãs e algodão, a raspagem dos pisos e a lavagem de paredes. A carta também afirmava que Clark garantiria que quaisquer custos seriam reembolsados à proprietária.


O poeta inglês morreu em 23 de fevereiro de 1821, aos 25 anos de idade. Uma autópsia foi realizada no dia seguinte por médicos, incluindo Clark e um cirurgião italiano, possivelmente Morichini, que confirmou que o poeta morreu de tuberculose. Seus quartos foram higienizados e os móveis foram queimados do lado de fora da casa.


O estudioso, Alessandro Gallenzi, encontrou os arquivos no Archivio di Stato di Roma. Ele havia escrito um livro sobre o poeta, 'Written in Water: Keats's Final Journey', remotamente durante a pandemia. Preparando-se para escrever a segunda edição, pôde passar algum tempo em Roma, onde rastreou os documentos após uma longa busca de correspondência com arquivistas.


"Ninguém suspeitava que eles ainda existiam, que foram preservados, então acho que são uma descoberta importante", disse Gallenzi. O estudioso agora espera encontrar o relatório da autópsia de Keats, que ele acredita que seria "extremamente interessante".


John Keats foi um poeta inglês e o último dos poetas românticos do país. Juntamente com Lord Byron e Percy Bysshe Shelley, foi uma das principais figuras da segunda geração do movimento romântico, apesar de sua obra ter começado a ser publicada apenas quatro anos antes de sua morte. Durante sua vida seus poemas não foram geralmente bem recebidos pelos críticos; sua reputação, no entanto, cresceu à medida que ele exerceu uma influência póstuma significativa em diversos poetas posteriores, como Alfred Tennyson e Wilfred Owen.


Fonte da matéri aqui.

コメント


bottom of page