google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

Gente Pobre Resenha

Atualizado: 24 de abr.

Gente Pobre Resenha

Esse texto pode conter possíveis SPOILERS.

Sinopse: O livro mostra ao leitor a dura realidade vivida pelos moradores de São Petesburgo, no século XIX por meio das cartas trocadas entre os protagonistas. O relacionamento construído à distância, as dificuldades enfrentadas no dia a dia de uma vida paupérrima e os sentimentos mais profundos do ser humano estão claros e representados pelos personagens deste romance realista e envolvente.

Resenha: Quando foi publicado pela primeira vez em 1846, 'Gente Pobre' foi anunciado como uma pequena obra-prima da ficção realista. Fiódor Dostoiévski revela gradualmente, em formato epistolar, a vida de dois residentes da classe trabalhadora de São Petersburgo, dois primos de segundo grau Makar Alekseevich Devushkin e Varvara Alekseevna Dobroselova.

Este romance naturalista é realmente inteligente, deixando o leitor navegar entre as correspondências trocadas pelos personagens, e nos dando essas dicas elípticas sobre suas situações de vida a cada carta enviada. Esse foi o único problema desta leitura para mim, o seu estilo epistolar. Para quem me acompanha por aqui, já sabem que esse estilo de contar uma história por correspondências não me cativa muito.

O autor ainda não atingiu aquele ponto de sua carreira em que tudo é pesadamente significativo, no entanto, até mesmo a ninharia que os dois narradores epistolares trocam entre si tem a vantagem de nos revelar as duras restrições que eles são.

Em 'Gente Pobre', a lenta degeneração da riqueza e do caráter de Devushkin é tratada como um resultado inexorável e parece destinada a ser desde o início, desde seu tom obsequioso para com Dobroselova. Seu amor por Dobroselova é salutar e sua salvação financeira. Isso contrasta com seu pântano emocional, quando Dobroselova sai da cidade para se casar com um proprietário de terras severo, mas rico, chamado Bykov.

Fiódor Dostoiévski reserva bastante espaço para os detalhes mundanos, triviais e econômicos da vida de seus protagonistas. A escrita do autor, traz uma atmosfera de confinamento e escuridão para a cidade de São Petersburgo, e como se o lugar fosse um "terceiro personagem" da obra.

A simpatia genuína parece ser o principal fator que separa 'Gente Pobre' do melodrama sentimental comum. Eu tenho que confessar a vocês que eu não achei a obra algo magnífico. A obra é um produto preciso de seu tempo: responde ao desejo literário de representação das massas, ao desejo político de empoderamento e emancipação, e cumpre um desejo moderno pelo romance histórico escrito como polêmica contemporânea.


Nota: 7


Comments


bottom of page