google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

Frankenstein de Mary Shelley Crítica

Atualizado: 23 de ago. de 2023


Frankenstein de Mary Shelley Crítica
Esse texto pode conter possíveis SPOILERS.
Sinopse: Em 1794, um explorador no Ártico ao tentar abrir caminho através do gelo encontra Victor Frankenstein (Kenneth Branagh). Logo depois os cães decidem atacar uma criatura (Robert De Niro), que os mata rapidamente. Assim, Victor decide contar-lhe, como tudo começou, quando ele foi estudar medicina em Ingolstadt, deixando para trás sua noiva e levando consigo uma única obsessão: vencer a morte. Na faculdade, ao discordar de um renomado mestre, acaba chamando a atenção de outro, que revela seus experimentos em reanimar tecidos mortos. No entanto, este pesquisador assassinado e o culpado pelo crime enforcado, então Victor decide colocar o genial cérebro do mestre no vigoroso corpo do assassino, mas as consequências de tal ato seriam inimagináveis.
Crítica: 'Frankenstein de Mary Shelley' é desajeitadamente costurada a partir de uma série de elementos temáticos. À medida que este filme muda, de forma desigual, de aventura fanfarrona para um horror clássico, para um romance floreado, e depois para elementos gráficos sangrentos, não há como dizer o que você está assistindo.
Há algo excessivamente ansioso (até chato) sobre esse longa-metragem, como se o diretor britânico pensasse que poderia ganhar pontos por edição frenética, movimento de câmera inquieto, cenários excessivamente esquálidos, sangue e saltos de gênero.
Embora seja tradicional que a criatura se saia melhor nesses filmes, o personagem de Robert De Niro ganha nosso carinho especial por não gritar no volume máximo como todo mundo. O ator, sob a maquiagem de látex de espuma flexível criada por Daniel Parker, entrega uma criatura mais convincente e simpática, um cara legal incompreendido que prefere discussões filosóficas à violência física.
Infelizmente, o diretor Kenneth Branagh e os roteiristas Steph Lady e Frank Darabont criaram uma história tão mal feita quanto a criatura de Robert De Niro. Embora existam momentos intelectuais intrigantes, quando Frankenstein briga com os cientistas conhecidos da época e fala sobre criatividade onisciente, as histórias centrais são emocionalmente pouco envolventes. Frankenstein de Mary Shelley Crítica
Nota: 5

Leia esse livro de graça no Kindle clicando aqui.
Comprando com o meu link, você ajudará na permanência do meu trabalho.

bottom of page