google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

The Handmaid's Tale 2° Temporada Crítica

Atualizado: 22 de set. de 2023


The Handmaid's Tale 2° Temporada Crítica

Esse texto pode conter possíveis SPOILERS.

Sinopse: A ousada abertura da segunda temporada começa onde o final de 2017 parou, com a serva Offred, também conhecida como June (Elisabeth Moss), sendo contrabandeada para fora da servidão reprodutiva na parte de trás de uma van sem janelas, presumivelmente longe da teocrática República de Gilead ( anteriormente Costa Leste da América) e em direção à liberdade do Canadá.

Crítica: 'The Handmaid's Tale' mantém sua estética visual contida, onde seu figurino e cenários controlados e deliberados estão em oposição direta e poderosa às explosões de violência. Os diretores desta temporada são hábeis em encontrar quadros saturados de cores ou varridos pelo vento que lembram pinturas clássicas de mundos rurais e fiéis.

O que transparece claramente no episódio de abertura da segunda temporada de 'The Handmaid's Tale' é a raiva silenciosa e ardente de June. De queixo erguido, ela declara seu nome e sobrenome discretamente, mas ferozmente várias vezes nesta segunda temporada, que de, de alguma forma, conseguiu ficar ainda mais relevante.

O rosto de Moss é um dos transmissores de emoção mais fascinantes do mundo. A equipe criativa do drama sabia disso quando fez a primeira temporada vencedora do Emmy, mas a série tira ainda mais vantagem de suas abundantes habilidades desta vez.

Novos enredos e cenários são introduzidos, e aqueles que mal foram sugeridos no romance de Margaret Atwood são integrados organicamente na história da série. Esta temporada se expande para as Colônias, e se você pensou que as coisas estavam ruins em Gilead, a segunda temporada conseguiu deixar as coisas piores.

Algumas histórias parecem um pouco desconexas às vezes, mas esse formato de narrativa deixa a série ainda mais crível, pois a vida da maioria dos personagens foi virada de cabeça para baixo. O programa tomou outra decisão sábia ao dar aos espectadores muita tia Lydia na segunda temporada.

Nesta temporada, eu gostei especialmente dos flashbacks do mundo “normal” pré-Gilead. Durante esses vislumbres, testemunhamos a erosão lenta e constante dos direitos e liberdades, especialmente para as mulheres.

'The Handmaid's Tale' provavelmente não é um show com probabilidade de conquistar novos fãs. Há muitos espectadores que podem não gostar de sua política pesada ou de suas liberdades literárias ou daquela torção no esto￴mago que vem de tanto sofrimento interno e externo. Para quem gosta da agonia, prepare-se para o retorno á escuridão, mas calma, há também momentos de beleza e de partir o coração em meio ao horror. The Handmaid's Tale 2° Temporada Crítica


Nota: 9

Comprando com o meu link, você ajudará na permanência do meu trabalho.


bottom of page