google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

Blade Runner: O Caçador de Andróides Crítica

Atualizado: 1 de mar.

Blade Runner: O Caçador de Andróides Crítica

Esse texto pode conter possíveis SPOILERS.

Sinopse: No início do século XXI, uma grande corporação desenvolve um robô que é mais forte e ágil que o ser humano e se equiparando em inteligência. São conhecidos como replicantes e utilizados como escravos na colonização e exploração de outros planetas. Mas, quando um grupo dos robôs mais evoluídos provoca um motim, em uma colônia fora da Terra, este incidente faz os replicantes serem considerados ilegais na Terra, sob pena de morte. A partir de então, policiais de um esquadrão de elite, conhecidos como Blade Runner, têm ordem de atirar para matar em replicantes encontrados na Terra, mas tal ato não é chamado de execução e sim de remoção. Até que, em novembro de 2019, em Los Angeles, quando cinco replicantes chegam à Terra, um ex-Blade Runner (Harrison Ford) é encarregado de caçá-los.

Crítica: Nos quase 25 anos desde seu lançamento original, 'Blade Runner: O Caçador de Androides' se tornou um dos filmes de ficção científica mais discutidos, debatidos e influentes. Hoje em dia, é quase impossível encontrar um filme de ficção científica corajoso que não tenha pelo menos uma pequena dívida com o estilo visual do filme. Considerando o quão respeitada a obra cinematográfica é hoje em dia, é até difícil de acreditar que ela foi amplamente vista como um fracasso em seu lançamento.

As críticas, em sua maioria, foram negativas. A bilheteria foi morna e o filme não conseguiu recuperar seus custos de produção. Os espectadores, esperando algo mais voltado para a pipoca de um filme de ficção científica de Harrison Ford, ficaram desapontados com a natureza sombria e séria do longa. O elenco e a equipe, que quase se rebelaram contra o diretor durante a produção, em alguns casos não estavam entusiasmados em apoiar o produto final.

Quem diria que anos mais tarde 'Blade Runner: O Caçador de Andróides' ditaria o que é o futuro e a ficção científica no mundo cinematográfico. O filme se passa em uma Los Angeles que parece uma Tóquio futurista, com outdoors gigantescos mostrando garotas japonesas sorridentes bebendo Coca-Cola. A cidade é dominada por arranha-céus quase inconcebivelmente enormes. As pessoas se locomovem em veículos compactos que voam, pairam, escalam e voam.

Os efeitos especiais foram supervisionados por Douglas Trumbull, cujos créditos incluem '2001: Uma Odisseia no Espaço' e 'Silent Running', e que é tão bom quanto qualquer um no mundo no uso de miniaturas, animação, desenhos, efeitos ópticos e outras formas de enganando os olhos. Os ambientes visuais que ele cria para este filme são maravilhosos de se ver e há uma sensação de detalhe também. O espectador consegue ter a noção sobre como restaurantes, roupas e móveis domésticos seriam nesse futuro onde o filme habita.


O diretor Ridley Scott é um mestre em design de produção e em imaginar outros mundos do futuro ('Alien') e do passado ('Os Duelistas'). Em 'Blade Runner: O Caçador de Andróides' o diretor parece mais preocupado em criar mais um de seus mundos cinematográficos do que preenchê-los com personagens plausíveis e esse é um problema, o filme é uma conquista visual incrivelmente interessante, mas é fraco em sua história.

O longa é uma adaptação do romance de Philip K. Dick com o título intrigante, 'Andróides sonham com ovelhas elétricas?'. O livro trata sobre as diferenças entre humanos e máquinas pensantes e com cuidado abordou a questão da memória: as memórias pessoais de um andróide são menos válidas se forem inspiradas pelas experiências de outra pessoa? Há um discussão profunda sobre a humanidade no livro que foi deixada de lado no filme.

A fraqueza do filme, no entanto, é que ele permite que a tecnologia de efeitos especiais sobrecarregue sua história. Harrison Ford é duro e discreto no papel central, e Rutger Hauer e Sean Young são eficazes como dois dos replicantes, mas o filme não está realmente interessado nesses personagens.

'Blade Runner: O Caçador de Andróides' opta também por correr em caminhos estranhos, há um caso de amor forçado em que Harrison Ford e Sean Young não convencem, os vilões são padrões e o clímax é mais um daqueles cliffhangers, com Harrison Ford pendurado em um abismo pela ponta dos dedos.

O longa não é perfeito. 'Blade Runner: O Caçador de Androides' consegue impressionar com seu visual e apresentar um mundo simplesmente fantástico, mas os conceitos e temas do livro são deixados de lado, os personagens e a história flutuam sem importância em meio aos efeitos especiais e designer impressionantes. 'Blade Runner: O Caçador de Andróides’ tem o mesmo problema dos replicantes: em vez de carne e osso, seus sonhos são de homens mecânicos.


Nota 8



Commentaires


bottom of page