google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

As Terras Devastadas Resenha

Atualizado: 24 de out. de 2023


As Terras Devastadas Resenha

Esse texto pode conter possíveis SPOILERS.


Sinopse: Em 'A Torre Negra: As Terras Devastadas', Roland e o ka-tet viajam para Lud, uma cidade que já foi bela e avançada, mas que desde então foi arruinada pela guerra. Eles encontram o Berço de Lud, uma estação de monotrilho que abriga Blaine. Blaine é um monotrilho controlado por IA altamente inteligente, cuja inteligência se degradou com o tempo, dando a ele uma personalidade ligeiramente dividida. Blaine força o ka-tet a vencê-lo na conclusão de um enigma antes que ele os ajude.


Resenha: Se o primeiro livro é o faroeste de Sergio Leone e o segundo um tipo de interlúdio cheio de ação, o terceiro é o tributo de King a Tolkien. Em seu lugar, vêm enormes florestas povoadas por tributos positrônicos a Richard Adams, "feixes" magnéticos ilimitados reforçando o mundo, uma monstruosa cidade decadente à beira de uma extensão atrofiada e um monotrilho hipersônico assombrado por uma inteligência artificial demente planejando sua corrida lunática final.


As primeiras duas partes da série 'A Torre Negra' são bastante diferentes. Um está quieto, focado, mas fraturado; o outro é mais extenso, apresentando monstros e mundos paralelos e múltiplas personalidades. O próprio King percebeu isso, mais tarde reconectando parte do conteúdo para alinhar a primeira parte com os livros posteriores.


'As Terras Devastadas' leva o título do poema de TS Eliot com quase o mesmo nome: uma importante obra do modernismo, desarticulada em suas vozes, que olha a sociedade por meio de alusões históricas e míticas. Referenciá-lo tão diretamente é talvez a primeira indicação que os leitores receberam das intenções de King na criação de seu mundo fantástico: embora este não seja o nosso mundo, as conexões e ligações a ele são fortes, embora totalmente fragmentadas.


A série foi escrita ao longo de um período de 30 anos, e ainda está indo, em farrapos e farrapos. Suponho que, quando começou a escrevê-lo, King não tinha certeza de que forma iria assumir. 'As Terras Devastadas', foi o ponto onde o quadro geral começou a se revelar para King, porque é certamente onde tudo começa a acontecer.


No terceiro volume da série há mais contorno a seus personagens, criando longos arcos de desenvolvimento. Depois de apresentar Eddie Dean, Susannah e agora o Jake, o autor anda lentamente sobre a motivação desses personagens.


No começo deste terceiro volume, King debruça mais sobre Jake e sua relação com Roland. Eddie e Susannah começam a desenvolver uma afinidade, algo que já havíamos percebido lá no primeiro volume. Começamos a ver flashes do que Roland viu no espírito de Eddie e pouco a pouco vamos entendendo por que ele é tão importante para a jornada do pistoleiro.


Susannah vai construindo um senso de propósito que vai tornando-a uma personagem riquíssima em detalhes, ela é minha personagem preferida nessa série. A junção de suas duas personalidades dá a ela uma perspectiva única sobre o mundo. Somos formados por um lado obscuro assim como por um lado bom.


Somente uma coisa que eu não gostei nesse livro que foi a sequência de estupro, que parece fora do lugar e desnecessária, essa foi a única parte da série que me deixou desconfortável, mas Stephen King é assim. Ele é um escritor que não acredita em escrever finais felizes para agradar seus leitores. Apesar de escrever ficção, os resultados de suas histórias são realistas no sentido de que não há equilíbrio entre o bem e o mal no mundo.


Há uma história neste romance, mas também é o ponto em que os livros da 'Torre Negra' pararam de parecer independentes. No final deste volume, você é levado direto para o livro quatro, que começa a ação exatamente de onde parou. 'As Terras Devastadas' é um volume que criou aquela noção épica tão necessária à 'Torre Negra'. As Terras Devastadas Resenha


Nota: 8


Comprando com o meu link, você ajudará na permanência do meu trabalho.


bottom of page