google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

MAUS Resenha

Atualizado: 26 de abr.

MAUS Resenha

Esse texto pode conter possíveis SPOILERS.

Sinopse: Maus ("rato", em alemão) é a história de Vladek Spiegelman, judeu polonês que sobreviveu ao campo de concentração de Auschwitz, narrada por ele ao seu próprio filho Art.

Resenha: O livro é considerado um clássico contemporâneo das histórias em quadrinhos. Foi publicado em duas partes, a primeira em 1986 e a segunda em 1991. No ano seguinte, A HQ ganhou o prestigioso Prêmio Pulitzer de literatura. Ao longo de 'Maus', o autor alterna consistentemente entre a narrativa do passado e do presente enquanto realiza entrevistas com seu pai, que relembra sua jornada de sobrevivência.

Art Spiegelman não se propôs em reinventar o mundo dos quadrinhos com essa obra. O autor estava apenas tentando explorar a história de sua família, isso é o que torna 'MAUS' tão arrebatador. O leitor invade as memórias e lembranças de uma família, tudo é real aqui, é tudo muito verdadeiramente sincero e palpável.

Os personagens judeus no livro são todos retratados como ratos, enquanto os nazistas são gatos, os poloneses são porcos e os poucos americanos não judeus que aparecem são cães. Retratar toda a história com um jogo de gato e rato é uma jogada provocativa óbvia de Art Spiegelman, que traz uma observação de Adolf Hitler: "Os judeus são, sem dúvida, uma raça, mas não são humanos".

'Maus', embora escrito e ilustrado de maneira inocente e simples, captura as complexidades da natureza humana. As imagens, diálogos, fotografias e estilo narrativo de Art Spiegelman fornecem não apenas a experiência através da ilustração com a ausência de cores, mas uma recusa em aceitar a simplificação da experiência do Holocausto. A obra um relato incisivo e perturbador, que evidencia a brutalidade da catástrofe do Holocausto.

Art Spiegelman é inteligente e evita o sentimentalismo e interrompe algumas vezes a narrativa para dar espaço a dúvidas e inquietações. O protagonista, seu próprio pai, é retratado como valoroso e destemido, mas também como um racista e mesquinho, o quadrinista traz um personagem muito excêntrico e irracional.

O autor também traz um humor considerável ao contar sua história. Vladek relata muitas de suas memórias do Holocausto enquanto se exercitava em uma bicicleta ergométrica ou enquanto contava suas pílulas diárias de remédio.

'Maus' não é sobre o Holocausto, mas sim sobre a vida das pessoas que sobreviveram, e como isso quebrou seus espíritos e como distorceu sua percepção de humanidade, ainda traz o efeito da geração criada em uma comunidade de sobreviventes do Holocausto. A obra é uma história que trata de algo íntimo e horrível, mas ainda assim é edificante, mesmo com personagens falhos, 'Maus' exalta o que é ser um humano, para o bem ou para mal.


Nota: 9


Comentários


bottom of page