google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

Kate Crítica

Atualizado: 15 de jun.

Kate Crítica

Esse texto pode conter possíveis SPOILERS.

 

Sinopse: Kate é uma assassina perfeita que encontra-se no auge de sua carreira. Quando uma operação para matar um membro da Yakuza não ocorre do jeito esperado, Kate é envenenada, ela tem apenas 24 horas para se vingar dos seus inimigos.

 

Crítica: Aparentemente, 'Kate' da Netflix, é um filme totalmente novo baseado em um conceito original. Não é um remake ou uma reinicialização ou uma extensão de uma franquia; não é baseado em eventos reais nem adaptado de materiais de origem existentes, mas você já viu 'Kate'.

 

Como muitos dos filmes originais da Netflix, 'Kate' se sente como mais um lançamento que tinha potencial para ser bom, mas fica bem aquém do esperado. Então, como os outros filmes da Netflix, os espectadores podem conferir 'Kate' se eles ficarem sem outras coisas para assistir.

 

'Kate' usa suas influências como roupas emprestadas, nunca conseguindo desenvolver um estilo ou voz que pareça totalmente próprio. O roteiro de Umair Aleem é tão previsível que é possível mapear todo o ato final com base nos primeiros dois minutos do filme e na sinopse do enredo.

 

O diretor Cedric Nicolas-Troyan se sai bem com os interlúdios corpo a corpo e bala a cabeça regulares, mas por alguma razão há uma perseguição de carro no final do primeiro ato que parece terrível. Foi arrancado de uma cena cortada de videogame e é chocante ver um uso tão flagrante de CGI horrível.

 

Mary Elizabeth Winstead prova seu talento de herói de ação de maneira espetacular. Nossa protagonista é tão unidimensional quanto possível, tendo sido recrutada quando criança e treinada em suas formas de lidar com a morte como tantos antes dela no gênero, mas a atriz pelo menos consegue imbuí-la com algum grau de humanidade. Ela eleva substancialmente o que está na página e dá o melhor que consegue nas cenas de luta, é divertido assistir Winstead obter lá independentemente.

 

Se o filme tem um momento decisivo, não é nenhuma das partes legais em que Kate atira em bandidos, ou as partes sentimentais, é no instante em que ela para no meio de uma missão urgente para cortar o próprio cabelo na pia do banheiro. Kate não está tentando se disfarçar. O cabelo dela não está atrapalhando. Ela não é especialmente vaidosa e definitivamente está com pouco tempo. Ela nem parece tão diferente depois. No entanto, ela se arruma e afofa enquanto se estuda no espelho, porque o corte de cabelo autoaplicável é uma abreviatura cinematográfica para uma mulher que toma conta de sua própria vida e é isso que 'Kate' espera transmitir que Kate está fazendo.

 

Não é preciso ser muito perspicaz para perceber que 'Kate' tem poucas ideias próprias. Embora não necessariamente reinvente o gênero ou forneça uma visão criativa de thrillers de ação, é divertido o suficiente para sustentar os espectadores durante as horas e 46 minutos de duração do filme.

 

Nota: 5



Comments


bottom of page