google.com, pub-4979583935785984, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page
  • Vinicius Monteiro

It: Capítulo Dois Crítica

Atualizado: 26 de mar.

It: Capítulo Dois Crítica

Esse texto pode conter possíveis SPOILERS.


Sinopse: 27 anos depois, Mike percebe que o palhaço Pennywise está de volta à cidade de Derry. Ele convoca os antigos amigos do Clube dos Otários para honrar a promessa de infância e acabar com o inimigo de uma vez por todas. Mas quando Bill, Beverly, Ritchie, Ben e Eddie retornam às suas origens, eles precisam se confrontar a traumas nunca resolvidos de suas infâncias, e que repercutem até hoje na vida adulta.


Crítica: Há algumas coisas animadas em 'IT: Capítulo Dois', incluindo algumas aparições sensacionais e ideias interessantes sobre como confrontar os demônios pessoais de alguém, sobre homofobia, abuso e depressão, porém o filme se limita demais, não indo além de seus sustos pouco aterrorizantes e pouco oferendo com o seu enredo que não leva a lugar algum.


A sequência segue padrões, assim como no primeiro filme, o palhaço volta a assombrar nossos heróis se camuflando como o pior de seus pesadelos, o filme cada um dos personagens são assombrados separadamente, o horror está inundado de CGI e há uma luta épica no final do filme. 'IT: Capítulo Dois' é uma repetição mortal de coisas que vimos antes.


Não há um trabalho realmente notável de ninguém no elenco, mesmo que o elenco seja o que faz o filme funcionar quando funciona. Skarsgård ainda é a única razão para gastar três horas do seu tempo com filme. A maneira como ele se move, a selvageria por trás de seu olho vacilante, são as coisas que ficarão com você depois que os créditos finalmente rolarem.


'IT: Capítulo Dois' é inutilmente longo. Muschietti e o roteirista Gary Dauberman dedicam 30 minutos inteiros a quase nada além de uma introdução de personagem após a outra. Em vez de usar o tempo de execução prolongado para se aprofundar nesses personagens, o diretor Andy Muschietti, acumula sustos de uma maneira que leva a um final encharcado de histeria.


O segundo filme comete o erro do primeiro. O que fica cada vez mais cansativo são os efeitos especiais totalmente esquecíveis. A decisão de recorrer ao CGI como representação de nossos medos pode deixar as coisas grandiosas e fantásticas, mas com certeza não assustadoras. Algumas cenas entregam sustos razoavelmente eficientes, mas as cenas não se desenvolvem ou acumulam nada dentro de um arco de história.


O segundo capítulo poderia aproveitar seu longo tempo para se aprofundar mais na entidade Pennywise, ao invés disso ele é dolorosamente longo preenchido por cenas que não levam a nada. 'IT: Capítulo Dois' decide recriar o modelo do primeiro, mais uma vez encharca a tela de efeitos especiais, apresenta um mundo gigantesco e fantástico, mas pouco aterrorizante.


Nota: 5



Comments


bottom of page